Seguidores

Loading...

terça-feira, 28 de julho de 2009

FRISADO DO SUL

Arquivo editado em 25/12/2002

País de origem: FRANÇA (Sul)

HISTÓRICO Como nas outras raças frisadas mais antigas, a origem é obscura. Mas tais pássaros parecem ser originais do Sul da França, espalhando-se depois para a Itália e Espanha.
O interesse e o desenvolvimento específico desse tipo em uma certa região, em termos remotos, poderá ser explicado pelo isolamento ocasional de um grupo de criadores de pássaros frisados. Estes criadores, dando uma interpretação toda pessoal a um padrão que possuíam, conduziram a raça, por falta de material de comparação, ao que supunham ser o ideal e posteriormente, ao compará-la com os pássaros de outros centros, verificaram que as diferenças eram marcantes e praricamente uma nova raça foi fixada.
Se compararmos o FRISADO DO SUL com o desenho do Frisado Parisiense feito pelo Sr. Le Roy, em 1890, a semelhança é grande. É também conhecida por HOLANDÊS DO SUL.
Sendo um frisado leve, as frisuras não são tão volumosas quanto as das raças pesadas.

O FRISADO DO SUL IDEAL

TAMANHO: É um pássaro de tamanho que deve variar de 16 a 17 cm, tamanho este de difícil avaliação pela posição curvada que adota, tanto em repouso como em posição de concurso.
Sendo um pássaro de postura, esta é fundamental para o julgamento. Em posição de concurso, o pássaro gripa o poleiro.

FORMA: As canelas e coxas ficam praticamente na vertical do poleiro, o pescoço distende-se e a linha cabeça-pescoço-dorso e cauda se aproxima da forma do número 7, inclinado em relação à sua posição original.

PLUMAGEM: A plumagem é abundante em relação ao Gibber Italicus e o Giboso, mas bem menos abundante que a das raças pesadas.
Os pássaros nevados, normalmente, têm plumagem mais volumosa.
O manto deve ser dividido por uma linha longitudinal no centro das costas e cair simetricamente sobre elas, cobrindo os encontros das asas.

PEITO: O peito também é duplo, formando na parte superior o "cestinho" característico. O ventre deve ser liso.
Os fachos nascem na região de implante das pernas e se elevam em curva, envolvendo a parte inferior das asas.

CABEÇA: A cabeça é pequena, serpentiforme, o bico proporcionalmente grande e os olhos centrados.

PESCOÇO: O pescoço é longo e fino, harmônico com o tamanho da cabeça, e se insere no tronco da parte superior em um ângulo arco de cerca de 90º.

PERNAS: As pernas são compridas, as coxas emplumadas e aparentes em todo o seu comprimento, as canelas também longas, dedos e unhas de tamanho compatível. As unhas são normais, sem curvaturas.

CAUDA: A cauda é relativamente longa, fina e posicionada no prolongamento da linha do dorso.

ASAS: As asas são longas, perfeitamente aderentes ao dorso, com as pontas se tocando sem se cruzarem .

O pássaro deve estar limpo e sadio e pode ser apresentado em qualquer cor de fundo, bem como pintado.

COMENTÁRIOS SOBRE AS CARACTERÍSTICAS

Pássaros que não entram em posição devem ser penalizados com rigor. Os que ficam em posição próxima da ideal devem ser penalizados com brandura.
A forma do número 7 inclinado só é conseguida quando em posição. Os pássaros que na posição de repouso se agarram às grades laterais não devem ser penalizados.

O tamanho ideal é entre 16 e 17 cm. Pássaros com tamanho excessivo devem ser penalizados. Pássaros pouco menores que os 16 cm, que entrem na posição, devem ser penalizados com moderação.

O volume da plumagem deve ser compatível com a forma. Pássaros com frisuras abundantes tendem a apresentar frisuras em locais onde não devem existir, e devem ser penalizados.
Pássaros com frisuras escassas, como as do Gibber, devem ser penalizados com rigor.
Só o manto, peito e fachos são admitidos como frisuras. Outras zonas como cabeça, pescoço e ventre que apresentem frisuras devem sere penalizados proporcionalmente à importância dessas frisuras.

Manto curtos em demasia, mesmo que simétricos, devem ser penalizados. Mantos assimétricos devem ser penalizados proporcionalmente à assimetria.

Peito onde as penas não convergem para o centro devem ser penalizados com rigor.

Fachos curtos, mesmo simétricos, devem ser penalizados. Fachos assimétricos devem ser penalizados proporcionalmente ao grau de assimetria. Pássaros com fachos para cima, mas implantados em direção errada, por exemplo para a frente sem envolver as asas, devem ser penalizados.

Neste item devem ser observados a cabeça e o pescoço. Cabeça grande, pescoço curto e grosso devem ser penalizados com rigor. Bico muito pequeno e olhos posicionados devems ser penalizados.
Frisuras nessas partes devem ser penalizados no item PLUMAGEM.

As pernas são longas e na posição de concurso ficam praticamente na vertical do poleiro. Na posição de repouso ficam ligeiramente fletidas.
Coxas sem plumas ou pouco aparentes devem ser penalizados com rigor. Canelas curtas devem ser penalizadas com rigor. Pernas em que a articulação coxa-canela se desloque para a frentre quando o pássaro entra em posição devem ser penalizadas com moderação.

A cauda é relativamente longa e compacta, e deve ficar no prolongamento do dorso. Caudas curtas, levantadas, ou que saiam da linha do dorso quando o pássaro entra em posição, devem ser penalizados com rigor. Os pássaros que entram em posição com freqüência normalmente apresentam a parte interna da cauda, e às vezes os pés, sujos de fezes, mas isto não deve ser levado em consideração. Penas da cauda esgarçadas são também comuns, pois o pássaro utiliza a cauda muitas vezes como apoio, e isto não deve ser penalizado. Caudas com falta exagerada de penas devem ser penalizadas com rigor.

Asas curtas devem ser penalizadas com moderação. Asas que cruzam devem ser penalizadas proporcionalmente ao grau de cruzamento. Com as asas arriadas o procedimento é idêntico.

O pássaro deve estar limpo e saudável. Pássaros sujos devem ser penalizados. Os pés e a parte interna da cauda podem apresentar traços de fezes após um ou dois dias na gaiola, mas isto não deve ser penalizado.
São admitidas todas as cores de fundo e também pássaros pintados.

· A ausência de manto ou os que tenham todas as penas voltadas para um só lado.
· Pássaros cujas penas do peito estejam voltadas para um só lado.
· Pássaros com ausência de facho(s) ou que esteja(m) arriado(s), isto é, para baixo.

Ágata Topázio